Bom dia!

Já vos disse que adooooooooro o despertar. A brisa que entra quando abro a janela, o som dos grãos de café a serem moídos, o cheirinho que inunda a minha cozinha e os meus companheiros patudos a dizer-me bom dia. Tãaaaaaaaaao bom!

A equipa do Canal Nutrição com Coração do Jornal de Noticias acompanhou o meu despertar e juntos preparámos um pequeno-almoço que dá para alguns dias.

Esta receita de AVEIA NO FORNO COM GELEIA DE FRUTA rende entre seis a oito doses.

É vegetariana, não tem glúten nem lactose.

Eu sei que querem ver o vídeo completo, com a receita na íntegra e o resultado final (que desde já vos digo não deu para vários dias porque a equipa não deu hipótese e comeu tudo) – está no canal do JN online, já sabem – Poupe tempo de manhã com este pequeno-almoço que dura vários dias (jn.pt)

Agora a receita, passo a passo:

Ingredientes:
– 1+1/2 chávena farinha de aveia
– 1 chávena flocos de aveia
– 1 colher de sopa de mel (opcional)
– 2 colheres de sopa de azeite
– 6 colheres de sopa de sumo de laranja
– q.b. raspa de laranja
– 1 colher de sopa de amido de milho
– 1 colher de sopa sementes chia
– 400g fruta a gosto em pedaços pequenos

Programei o forno a 170 graus.
Numa taça misturei a farinha de aveia com os flocos, a canela, o azeite, o sumo de laranja e o mel.
Noutro recipiente envolvi a fruta com a raspa de laranja, o amido de milho e as sementes de chia.
Deixei repousar 5 minutos.
Dispus em camadas, numa forma retangular forrada com papel vegetal 2/3 da mistura de aveia, a fruta e sobre esta, a restante mistura de aveia.
Levei ao forno cerca de 35 minutos.

Like it?

-Mãezinha, podes dar-nos a receita do almoço bom que fizeste hoje? – Dou, pois. Escreve lá: bastante cebola e alho picadinhos, 3 folhas de louro, azeite. (Começa pelos ingredientes mas raramente diz quantidades…) – Que quantidade, mãezinha? – Óh Ana, eu não sei, sabes que faço a olho mas se te referes ao azeite já sabes que eu não uso cá as tuas doses mini mini. (Adoro este ar de menina reivindicativa!) e continua: Vai ao lume até a cebola ficar transparente e então junta-se tomate maduro partido aos bocadinhos muito pequeninos (inhos com mais inhos, mesmo à mãe Bravo!) e vai falando: Mas mesmo tomate, não é aquele já preparado. Ah! E uma pitadinha de açúcar para quebrar a acidez do tomate. Ai, não olhes para mim assim, eu disse uma pitadinha, não disse uma colher. Queres a receita ou não queres, Ana Luísa? (Eh, lá. Para tudo. Já estamos noutro patamar. “Ana Luísa” impõe respeito, mesmo com aquele olhar verde terno.) e segue: Tampa-se, para ir cozinhando com amor, devagarinho. Noutro recipiente coloca-se água a aquecer. Numa taça junta-se a farinha de pau com água fria, para desfazer, assim fica sem grumos. O segredo é bater bem nesta parte. Junta-se esta mistura ao tacho anterior. Vais mexendo e se achares que é necessário podes juntar mais água, da tal que se aquece à parte. Há pessoas que gostam de uma textura mais consistente, outras mais líquida… por isso juntam essa água conforme o seu gosto. Quando começar a fazer uma espécie de bolhas quer dizer que está cozinhada. Pode-se juntar a fonte proteica que se quiser – eu juntei tofu em pedaços logo no início, com a cebola e o tomate. No final aromatiza-se com umas folhinhas de hortelã e está pronto a servir e a saborear. Escreve aí: não se mistura a água de uma vez, deve-se ir mexendo e ir juntando à medida que for necessário, aos pouquinhos. Com paciência e amor. E depois vem a partilha – numa mesa bonita e sem telefones pelo meio, não é? (Pensei que vinha a “Ana Luísa ” outra vez, mas sorri-lhe com os olhos e derreteu-se num sorriso bom, mas bom!)

Ah, ternura boa esta que é ter um colinho de mãe.

Gostaram? Vão preparar para vocês? Para os vossos filhos, maridos, mulheres, pais… contem, para quem?