Author

Ana Bravo

Browsing

omo a diabetes é uma condição de saúde em que os níveis de açúcar no sangue se elevam, é muito fácil pensar que comer muito açúcar é a causa. Mas será assim?
O açúcar causa diabetes?

Antes de mais, interessa explicar que existem dois tipos principais de diabetes: tipo 1 e tipo 2.

O açúcar não causa diabetes tipo 1, na verdade este tipo também não é causado pelo estilo de vida. Neste tipo de diabetes as células produtoras de insulina (no pâncreas) são destruídas pelo sistema imunológico.

No que respeita à diabetes tipo 2, a resposta é um pouco mais complexa. Embora saibamos que o açúcar não a causa diretamente, é mais provável que a tenhamos se estivermos acima do peso. Ora ganhamos peso quando ingerimos mais calorias do que gastamos e todos sabemos que produtos alimentares e bebidas açucarados contêm muitas calorias.

Ainda assim, é improvável que o açúcar seja a única razão pela qual esta condição de saúde se desenvolve.

Um diabético controlado não precisa de cortar o açúcar da sua dieta.
Todos nós gostamos de comer alimentos açucarados ocasionalmente, e não há problema em incluí-los dessa forma, como parte de uma dieta saudável e equilibrada.

Tenhamos em consideração que no geral comemos muito açúcar de adição, não o existente naturalmente nos alimentos e assim prejudicamos a nossa saúde.

 

Assistam ao vídeo na íntegra clicando AQUI.

Em Maio há muitos acontecimentos importantes, sendo que marca também o mês dos Celíacos.
Como nutricionista não podia deixar de partilhar um post como mote para consciencializar a comunidade não celíaca. É muito importante que cada vez mais pessoas conheçam a doença e até ajudar algumas a identificar e confirmar diagnóstico com o médico. É fundamental combater a desinformação sobre esta doença e ajudar os celíacos em Portugal e no mundo a serem mais ouvidos e mais respeitados.

Têm questões sobre a doença celíaca?
Simplificando: nela, as pessoas não podem estar em contacto com o glúten, uma mistura proteica que existe no trigo, no centeio e na cevada (assim como em todos os produtos que os contêm e já agora o seitan é feito de glúten).

Deixo espaço para questões nas mensagens e têm sempre a Associação Portuguesa de Celíacos (APC) , que tem feito um trabalho digno de enaltecer.

E agora não podia faltar uma receita sem glúten, deliciosa, saudável, colorida… e esta é também vegetariana. já agora, para ajudar, podem encontrar outras no blog Nutrição com Coração.

Rolo vegetariano sem glúten

Ingredientes (3 pessoas):
– 3/4 chávena soja em grânulos
– 2 colheres de sopa de azeite
– 1 dente de alho
– 1/2 cebola
– 1 cenoura
– 1 batata média
– 2 chávenas de grelos cozidos
– 2 colheres de sopa de farinha de milho (ou outra, sem glúten)
– 1 colheres de chá de noz moscada
– 1/2 colheres de chá de curcuma (opcional)
– q.b. salsa picada

Programei o forno a 180 graus.
Comecei por hidratar a soja durante 15 minutos e mais tarde escorri-a muito bem.
Num tacho coloquei o azeite, a noz moscada e a curcuma. Levei ao lume e assim que a cebola ficou translúcida adicionei o alho, a batata ralada e a cenoura.
Cozinhou alguns minutos em lume brando e então juntei a soja e os grelos.
Deixei cozinhar até ficar a gosto (adicionei um pouco de água quente).
Envolvi a farinha e a salsa e transferi o preparado para uma folha de papel vegetal. Formei um rolo, que levei ao forno cerca de 30 minutos.
Servi ainda quente com salada.

Booooom dia!
Era preciso chegar quase aos 41 – faço já no dia 19 – para dormir até esta hora.

Entretanto a minha Ana Lira preparou este pão de casca de banana seguindo a receita do livro Nutrição com Coração, enviou-me as fotos e escreveu “estou doida com este pão”. Como a entendo!

Se ainda não experimentaram, têm que o fazer. É delicioso e ajuda a aproveitar desperdícios alimentares: poupa, faz bem, sabe melhor.

O que acham?

Para verem a receita, basta clicar AQUI.

 

 

Mais uma receita em que não acrescentei sal, mas garanto que está bem temperada!

Já experimentaram salicórnia?

Esta receita serve duas pessoas.

150g feijoca cozida

1 tomate picado

1/4 pimento vermelho em pedaços

100g espinafres

1 cenoura pequena

1/4 curgete em cubos

1 colher de sopa de azeite

1/2 cebola

1 dente de alho

1 folha de louro

2 colheres de chá salicórnia 100%

 

Num tacho levei ao lume o azeite com a cebola, o pimento, o louro e o alho.

Quando a cebola ficou translúcida juntei a curgete, a cenoura em pedaços e o tomate.

Adicionei um pouco de salicórnia, água e deixei cozinhar até a cenoura estar quase pronta. Nessa altura adicionei a feijoca e os espinafres. Cozinhou até os espinafres ficarem prontos.

Na hora de servir adicionei um pouco mais de salicórnia.

Hoje a receita é da nossa Kiki: um prato bem colorido de Bacalhau Riberalves!

A receita?
A Kiki dá.

O nome?
Diz que vocês ajudam a dar.

Ingredientes (2 unidades):
– 200g bacalhau desfiado
– 1 colher de sopa de azeite
– 1/2 cebola picada
– 1 dente de alho picado
– 1/2 colher de chá de paprika
– q.b. salsa picada
– 1/2 curgete
– 1 cenoura
– 1 batata média
– 1 colher de chá de ervas secas a gosto
– 1 colher de sopa de farinha espelta

Descongelei o bacalhau.
Programei o forno a 180 graus.
Num tacho coloquei o azeite, a cebola e a paprika. Levei ao lume e logo que a cebola ficou translúcida, juntei o alho e o bacalhau. Deixei cozinhar e antes de desligar, envolvi a salsa picada. Reservei.
Descasquei a batata e a cenoura e ralei-as, assim como a curgete (esta com a casca), depois de bem lavadas. Misturei com ervas secas e com a farinha.
Dispus em ramequins: uma camada de mistura de legumes ralados, por cima o bacalhau e a seguir, mais uma camada de legumes ralados.
Levei ao forno onde cozinharam cerca de 30 minutos.

Ora já cá faltava uma receita da mãe Bravo! Desta vez protagonizou um episódio do Canal Nutrição com Coração do Jornal de Notícias .

O que é? É um dos meus pratos preferidos, ou não tivesse leguminosas – vocês também gostam muito de feijão?

Chili, vegetariano, claro!

Deixo a receita, ora sim senhora.
E já agora deixo o link para o vídeo completo, que está no Canal.

Aqui fica, meus amores. A mãe Bravo está a obrigar-me a escrever que tem que apurar para ficar saboroso. (É muito convincente, esta mãe: “vá, escreve lá e amanhã faço-te um arrozinho malandro daqueles de que gostas tanto”. Como resistir?)

Ingredientes (2 pessoas):
– 1 colher sopa de azeite
– 1 cebola
– 1 dente de alho
– 1 folha de louro
– 1/2 tomate
– q.b. pimentos
– q.b. piri-piri (opcional)
– 200g feijão vermelho (cozido)
– 1 cenoura em rodelas

Coloquei num tacho o azeite, a cebola picada, o piri-piri e o louro.
Levei ao lume e assim que a cebola ficou translúcida, adicionei o alho picado, o tomate e a cenoura cortados.
Deixei cozinhar alguns minutos, em lume brando (junte água quente aos poucos sempre que necessário).
De seguida, juntei o feijão e, pouco antes de desligar, os pimentos cortados em tiras.

O que acham? Eu delicio-me com chilli!

👀 https://www.jn.pt/artes/especial/videos/ana-bravo-prepara-um-dos-seus-pratos-favoritos-inspirada-na-receita-da-mae-14683813.html