Category

Alimentação e Nutrição

Category

Booooooom dia, alegria! 

A Mati não aprecia cogumelos porque a sua textura lhe parece sabão e diz que o sabor coincide. Perguntei se já provou sabão e sorriu… Uns dias depois destas gravações, no jantar de aniversário da mãe, veio dizer-me ao ouvido “tia, experimentei mesmo cogumelos”. Ou seja, não tinha experimentado antes… E isto acontece, sobretudo com as crianças – mas também com os adultos – muuuuitas vezes. Verdade?
A Matilde diz que não gosta de espargos porque lhe fazem lembrar minhocas, de beterraba – este é mais comum – porque lhe sabe a terra (na verdade não chegou a experimentar, mas combinámos que vai fazê-lo) e nos brócolos não lhe agrada o sabor e a textura.

Quais são os alimentos de que “não gostam” mas na verdade nunca provaram?
E que tal dar-lhes uma primeira – ou segunda oportunidade, se em tempos experimentaram e não vos agradaram?

Sugiro que vejam o vídeo completo – a conversa linda e explicativa com a minha Mati – no Canal Nutrição com Coração️ do Jornal de Notícias – deixo o link: https://www.jn.pt/artes/especial/videos/sabor-forma-ou-textura-os-gostos-e-desgostos-alimentares-das-criancas-13895042.html

Bom dia, sorrisos lindos!

Vamos falar de dois dos produtos de pastelaria mais consumidos em Portugal.

Desta vez a “comparação” é entre o #croissant 🥐 e o #pasteldenata .

Se compararmos a sua composição nutricional por 100g, o croissant tem 3x mais gordura, 1,5x mais hidratos de carbono e 2x mais proteínas do que o pastel de nata. Curiosamente o pastel de nata tem mais açúcar do que croissant. Estas diferenças podem variar consoante a receita utilizada para cada um, mas em média o primeiro fornece quase 400 calorias, enquanto o segundo pouco mais de 200 calorias. Em todo o caso, entre os dois, o pastel de nata é a opção menos má (sim porque qualquer uma delas é uma “bomba energética e nutricional). Tenhamos em conta que o pastel de nata é mais pequeno (tem cerca de 60g) do que o croissant (tem cerca de 100g) e que há vários tipos de croissants, muitos deles com mais gordura e logo mais calorias (os de massa folhada).
Relembremos ainda que hoje há versões vegan nomeadamente do pastel de nata, o que altera significativamente a sua composição.

[Esta comparação foi feita tendo em consideração os dados da “Tabela da Composição dos Alimentos” – INSA.pt]

Eu adoooooooro ambos, o que faço é deixar para as excepções e saborear cada trinquinha, de forma a tirar o máximo partido de um momento de excepção. “Sem culpa, com sabor” – a seguir volto aos cuidados alimentares habituais.

Qual é o vosso preferido?
Têm alguma receita caseira especial, destes produtos alimentares?

A SÍNDROME PRÉ-MENSTRUAL afecta 3 em 4 mulheres em idade fértil e consiste em alterações hormonais que desencadeiam sintomas que vão desde o mal-estar emocional ao aumento de apetite, que pode reflectir-se no peso e em desconforto físico geral.

Há muitos relatos de aumento do apetite, muitas vezes assumindo algum descontrolo: às vezes vem o doce a seguir ao salgado e depois volta ao início.

Outros sintomas, além do apetite excessivo, mais comuns nesta fase, são:

  • aumento do volume e tensão mamária, com algum desconforto e por vezes até mesmo dor;
  • retenção de líquidos, edema, nomeadamente ao nível da zona abdominal e pernas, que se reflecte também num aumento de habitualmente peso, 1 a 2 kg;
  • dores de cabeça ou mesmo enxaqueca;
  • estado depressivo e/ou irritabilidade;
  • alteração do sono;
  • cansaço.

Há produtos alimentares que, nestas alturas, chamam pelo nome de muitas mulheres. Os mais comuns são:

  • o chocolate, seguido pelos doces em geral, sobretudo os crocantes, como bolachas e biscoitos;
  • há quem prefira os salgadinhos, especialmente crocantes, mais uma vez, sendo que as batatas fritas lideram as escolhas a este nível;
  • não menos comum é a «necessidade» de alternar o doce com o salgado, em episódios de alguma compulsão alimentar.

Porque “chocolatamos”? A riqueza do cacau num mineral – o magnésio – e numa parte de uma proteína – o triptofano – que são, em conjunto, precursores do neurotransmissor do bem-estar, a serotonina faz com que nos sintamos bem. Se optarmos por chocolate simples com mais de 70% de cacau ou por variedades com frutos oleaginosos, como amêndoas ou avelās, que podem melhorá-lo nutricionalmente, prolongando a sensação de saciedade e sobretudo se não devorarmos uma tablete, está tudo bem.

Dicas:

  • O ideal será preferir os cereais integrais aos refinados e evitar passar mais de duas de prazer imediatas horas e meia sem comer. (Neste caso isto reveste-se de especial importância, porque permitirá evitar que o «descontrolo» seja maior nas «alturas mais críticas».)
  • pode comer, por exemplo:
    — pipocas (preparadas em casa – sem açúcar nem sal, pode juntar cacau ou canela);
    — fruta – fresca ou desidratada;
    — tortilha de milho e de arroz;
    — uma mão de frutos oleaginosos.

Independentemente das suas escolhas alimentares, será importante canalizar a sua energia para actividades físicas. Se está a chover e não pode caminhar, porque não põe uma música de que goste a tocar no telemóvel e dança? Desviará a sua atenção extrema da comida, o que ajuda- muito!-, além de gastar calorias.

👁 Podem ver o vídeo completo no Canal Nutrição com Coração do Jornal de Notícias, clicando AQUI.

A menopausa é um estado que atinge todas as mulheres, em diferentes alturas e com sintomas diversos.

Esta semana, no Canal Nutrição com Coração️ do Jornal de Noticias , falamos dos cuidados a ter com a alimentação para uma menopausa mais tranquila.

Sugiro que vejam o vídeo completo no Canal:

https://www.jn.pt/artes/especial/videos/cuidados-com-a-alimentacao-para-uma-menopausa-tranquila-13543923.html

O prometido é devido.
Vamos falar de ALIMENTAÇÃO E SONO.

– Convém que haja um intervalo de pelo menos duas horas entre o jantar e a hora de deitar. Se o intervalo for superior a três horas e meia, pode fazer-se uma pequena ceia antes de ir para a cama.
�- Não devemos ingerir comida ou bebidas que estimulem o sistema nervoso central (café, bebidas alcoólicas, chá verde ou preto, refrigerantes, chocolate, biscoitos e bolachas com recheios, bebidas energéticas, etc.). O corpo ficará desperto e agitado, logo, com menos capacidade de repousar e entrar em sono profundo.

– Não devemos fazer refeições de difícil digestão (ricas em gordura ou molhos condimentados), o que pode prejudicar o sono profundo.

– Não devemos ingerir grandes quantidades de líquidos, o que obriga a interromper o sono. Para quem tem azia ou problemas de digestão, esta recomendação e a anterior são particularmente importantes. Nestes casos, deve deitar-se pelo menos meia hora depois de comer e, inicialmente, com a cabeça mais elevada.

– Não devemos trabalhar imediatamente antes de dormir. O estímulo intelectual pode prejudicar o «sossego mental» necessário para o referido sono profundo. Preocupações excessivas ou stress também podem prejudicar o sono. Se trabalha muito ou anda stressado e com insónias, pratique uma actividade relaxante (como ler um livro) antes de dormir. O stress aumenta os problemas de digestão, pelo que até o melhor jantar ou ceia poderão não ser suficientes para evitar um sono atribulado se o stress for realmente exagerado ou não controlado.
�- Ao jantar devemos optar por uma refeição semelhante ao almoço, mas em quantidade
ligeiramente mais reduzida e/ou com menos temperos ou condimentos.
�- Na ceia (sempre que esta se justifique) devemos escolher alimentos simples e consumi-los em pequena quantidade. Opções interessantes poderão ser amêndoas ou avelãs com pele, se lhe apetecer uma textura crocante,
ou queijo fresco com canela, se tiver vontade de algo diferente, por exemplo.

Bom soninho! 🥱

O jejum surge como uma crescente opção “terapêutica” para a perda de peso mas, apesar de a curto prazo poder oferecer vantagem neste processo, a médio/longo prazo os seus resultados são semelhantes aos de alguém que faz restrição calórica sem jejum associado. Não esqueçamos que os fatores de sucesso para a perda de peso, para além desta restrição, são a capacidade de adesão à dieta instituída e a escolha de alimentos de elevada qualidade (ricos em nutrientes como vitaminas, minerais e fibra). Ou seja, jejuar alguns dias (ou horas) ou restringir a ingestão alimentar diariamente podem ser estratégias eficazes na perda de peso e na prevenção de doenças crónicas.

Mulheres, idosos, crianças ou desportistas tem necessidades nutricionais específicas, pelo que se aconselha cautela adicional na utilização destas estratégias.

Vejam o vídeo completo no Canal Nutrição com Coração️ do Jornal de Noticias – deixo o link:

https://www.jn.pt/artes/especial/videos/jejum-intermitente-uma-opcao-para-emagrecer-explicada-ponto-a-ponto-13362833.html