Category

Alimentação e Nutrição

Category

Bom dia!

Hoje o tema é
—————— Celulite  ———————

O nome celulite refere-se a um quadro inflamatório do tecido adiposo subcutâneo que provoca alterações do relevo da pele, ficando com um aspecto ondulado.

Na verdade, as células de gordura são como uns balões que vão enchendo (quando engordamos, mesmo que sejam uns quilinhos transformados em gordura localizada) e o seu volume pode empurrar a pele de forma irregular devido à forma dessas células e à cedência desigual das fibras que constituem a pele, formando, em primeira instância, o tão indesejável aspecto “casca-de-laranja”.

Ou seja, nem sempre a gordura localizada decorre com inflamação, não sendo nesse caso celulite, mas sim “casca de laranja”.

A celulite não é apenas um problema estético, que abala a auto-estima das mulheres, podendo ser mesmo um sinal de que o organismo precisa de ajuda.

O primeiro passo passará, portanto, por fazer uma “limpeza” do organismo, olhando mais à qualidade dos alimentos que ingerimos a longo prazo e não apenas com um “detox” com os dias contados. A hidratação também é de extrema importância, claro.

Vamos então aos pontos fundamentais a ter em consideração:

1) Melhorar a circulação sanguínea e Combater a inflamação:

– O sangue leva oxigénio e alimento às células e liberta-as dos produtos do seu metabolismo, como toxinas. Podemos facilitar este processo de transporte de sangue nos vasos sanguíneos se os mantivermos saudáveis. Comecemos por evitar a formação excessiva das duas gorduras que os “estreitam”: o colesterol e os trigicerídeos.

– Tenhamos o cuidado de evitar a ingestão excessiva do mineral que mais contribui para elevar a pressão arterial, o que pode levar a uma mais lenta oxigenação das células: o sódio, presente sobretudo no sal.

Devemos reduzir a ingestão de gorduras saturadas e trans, de açúcares simples e de álcool, bem como de sal, sobretudo o refinado e ainda, no geral (pode haver sempre exceções devido a condições de saúde específicas), aumentar a ingestão de potássio, cujo efeito contrabalança o do sódio: mais hortícolas e fruta.

Não esqueçamos a acção dos antioxidantes, tão eficaz neste processo, também presentes nos hortofrutícolas.

Tenhamos ainda o cuidado de ingerir alimentos ricos em ácidos gordos essenciais, que fortalecem os vasos sanguíneos e melhoram a circulação, além de combaterem a inflamação – mais alimentos ricos em ómega 3 (cuidado com os que têm mais ómega 6 do que ómega 3). Ou seja: nozes, linhaça.

2) Reequilibrar o intestino:

– Um intestino com saúde espelha a saúde geral do organismo.
Comecemos, então, a preocupar-nos com o seu funcionamento regular. A disbiose (desequilíbrio da flora intestinal) tornou-se um quadro comum, devido ao uso indiscriminado de antibióticos, antinflamatórios, anticoncepcionais, exposição a alimentos alergénicos, stress entre outros e promove a formação de celulite. (Na disbiose, a flora patogénica sobrepõe-se à flora benéfica.) A obstipação promove a tão indesejável acumulação de toxinas no corpo.

Para o seu tratamento, os primeiros passos podem passar pela inclusão de simbióticos: pro e prebioticos (com indicação médica), assim como por uma boa hidratação. Devemos ainda procurar evitar alimentos que não toleramos bem, na maioria das vezes podem ser os que contêm glúten e lactose (a intolerância à frutose também é diagnosticada com alguma frequência), tendo em consideração que podem ser outros. Cada caso é um caso e cada um deve chegar aos seus, por tentativa e erro ou – melhor ainda – se perceber que há uma reacção mais exacerbada, por diagnóstico médico, através de análises ou exames próprios para cada caso.

3) Praticar exercício físico:

Umas boas caminhadas ajudam a reduzir o edema, que tantas vezes agrava o aspecto dessa ondulação que não nos agrada. Lembremos que o sangue é impulsionado por um motor potente, o coração, através dos vasos sanguíneos. Ora, nos vasos linfáticos, esse movimento é facilitado pela “actividade” dos músculos circundantes. As caminhadas podem ajudar, se não apreciar outro tipo de exercício, sobretudo se forem feitas ao ar livre, o que pode tornar-se um “2 em 1” e ajudar a reduzir o stress.

Por último, em modo de conclusão, saibamos desde já que não há tratamentos milagrosos ou muito rápidos. Mas podemos melhorar!

👀 não se esqueçam de ver o vídeo completo, no Canal Nutrição com Coração do Jornal de Noticias – Ana Bravo explica como combater o ″drama″ da celulite (jn.pt)

Hoje estive no programa “Casa Feliz” na SIC a falar de saladas:
– equilibradas?
– mais calóricas do que um prato convencional?
– sempre saudáveis?
Respondemos a estas e a outras questões.
Podem ver tudo no link que deixo ou procurar na SIC , no programa desta manhã.
(Fotos com Diana e João)

Vamos falar sobre a
COMPOSIÇÃO DO PESO?

É importante saber pesar-se.

O valor de uma balança convencional corresponde à soma dos componentes corporais:

– ossos
– músculos
– órgãos
– tecidos
– gordura
– líquidos
– …

Numa balança “simples”,
não temos noção de
qual/quais deste(s) componente(s) variou/variaram.

Sabemos apenas que o total é diferente!

Assumindo que as variações dos ossos, órgãos e tecidos são raras e muito pequenas, podemos concluir que a mudança está na parte muscular, adiposa (gordura corporal) e/ou aquosa (líquidos corporais).

As mudanças nos tecidos muscular e adiposo são relativamente lentas, mas poderão ser significativas.

Mudanças rápidas são apenas as provocadas por: de
– alterações de líquidos
– toma de refeições
– funcionamento intestinal

Para ter uma noção mais precisa, uma balança de bioimpedância ajuda.

👀 sugiro que vejam o vídeo completo no Canal Nutrição com Coração do Jornal de Noticias – A balança nem sempre diz tudo sobre o peso e Ana Bravo explica porquê (jn.pt)

Recebi mensagens a perguntar o que é esta massa que tenho na mão… é uma massa que “imita” gordura corporal e este volume corresponde a 2Kg.

Ora qui está mais um vox pop. Não há nada que goste mais do que comunicar, falar com pessoas, conhecer novas caras… que maravilha!

E com o regresso do S. João, este ano já desconfinado, a equipa do Canal Nutrição com Coração do Jornal de Noticias foi saber como será passada a noite dos portuenses e o que não pode faltar à mesa.

sugiro que vejam o vídeo completo no canal, clicando aqui.

Haja arraial e juízo – tudo na quantidade certa. Bailarico e muito amor!

Feliz S. João!

Como a diabetes é uma condição de saúde em que os níveis de açúcar no sangue se elevam, é muito fácil pensar que comer muito açúcar é a causa. Mas será assim?
O açúcar causa diabetes?

Antes de mais, interessa explicar que existem dois tipos principais de diabetes: tipo 1 e tipo 2.

O açúcar não causa diabetes tipo 1, na verdade este tipo também não é causado pelo estilo de vida. Neste tipo de diabetes as células produtoras de insulina (no pâncreas) são destruídas pelo sistema imunológico.

No que respeita à diabetes tipo 2, a resposta é um pouco mais complexa. Embora saibamos que o açúcar não a causa diretamente, é mais provável que a tenhamos se estivermos acima do peso. Ora ganhamos peso quando ingerimos mais calorias do que gastamos e todos sabemos que produtos alimentares e bebidas açucarados contêm muitas calorias.

Ainda assim, é improvável que o açúcar seja a única razão pela qual esta condição de saúde se desenvolve.

Um diabético controlado não precisa de cortar o açúcar da sua dieta.
Todos nós gostamos de comer alimentos açucarados ocasionalmente, e não há problema em incluí-los dessa forma, como parte de uma dieta saudável e equilibrada.

Tenhamos em consideração que no geral comemos muito açúcar de adição, não o existente naturalmente nos alimentos e assim prejudicamos a nossa saúde.

 

Assistam ao vídeo na íntegra clicando AQUI.