Category

Almoço e Jantar

Category

Então esta receita começa com aqueles olhinhos avelã esverdeados a olhar para mim vim ar de caso: “Cebola, bastante. Uma boa camada! Mas bastante mesmo, porque não leva água, Ana. Estás a apontar?” Com umas folhinhas de louro. Entra uma camada de batatas cortadas às rodelas. Diz a mãe Bravo que “não podem ser muito fininhas senão desfazem-se”. Depois uma camada de tofu esfarelado com os dedos e a última é mais uma camada de batata, com salsa. “Quem gostar pode juntar umas tirinhas de pimentos e malagueta, eu não tinha porque te esqueceste de comprar.” – Pois claro, eu esqueci! – “E claro, rega-se com azeitinho.” Termina de dizer isto é olha como ar malandro, à espera que eu refile e baixe a quantidade de azeite para 1 colher de sopa por pessoa. Aproveita o meu silêncio e continua: “Ana, agora escreve assim: nota, coze em lume muito brando.” E depois? – pergunto. “Depois vai-se sacudindo o tacho de vez em quando, não se tira a tampa para mexer, para não saírem os vapores que dão mais sabor. E está pronto, com sabor, saúde e amor! 

São deliciosos e ideais até para levar para um almoço fora de casa!.

Não deixem de experimentar esta receita.

Queques de bacalhau (6 a 8 unidades)

150g bacalhau Riberalves

2 colheres de sopa de ervilhas

q.b. alho em pó

q.b. curcuma

q.b. tomilho

1 colher de café de fermento

1 colher de sobremesa de azeite

60ml leite

4 c. sopa (rasas) farinha espelta integral

4 c. sopa (rasas) farinha de aveia

2 ovos


Descongelei o bacalhau e cozi-o a vapor (também pode usar sobras de bacalhau cozido ou assado, sem pele e sem espinhas) e lasquei-o.

Programei o forno a 180 graus.

Bati os ovos, adicionando o azeite, o leite e os temperos. De seguida, juntei as farinhas, o fermento, as ervilhas e o bacalhau.

Dividi a massa formada por formas de silicone e levei ao forno cerca de 35 minutos (basta fazer o teste do palito).

São deliciosos frios ou ainda mornos.

Boooooooooooom dia!

“Quatro refeições por menos de quatro euros com ingredientes que todos temos em casa”

Poupar saúde, tempo e dinheiro não dá assim tanto trabalho. Preparámos quatro refeições, usando duas receitas diferentes, com ingredientes que praticamente todos temos na despensa.

Este é um dos temas do Canal Nutrição com Coração do Jornal de Notícias já sabem que é lá que podem ver o vídeo completo. 

Deixo aqui o link: Quatro refeições por menos de quatro euros com ingredientes que todos temos em casa (jn.pt)

Sopa de feijão e legumes

200g feijão manteiga cozido

1 dente de alho

1/2 cebola

200g couve flor

1/2 saco espinafres

q.b. salsa


Colocar num tacho a couve flor, a cebola, o alho e cobrir com água. Quando a couve flor estiver quase pronta, juntar o feijão e passar com uma varinha mágica (pode ajustar a consistência adicionando mais água).Levar o creme ao lume envolvendo os espinafres e, antes de desligar algumas folhas de salsa.

Arroz de feijão e legumes

1 colher de sobremesa de azeite

q.b. salsa

1/2 chávena de arroz

1/2 cebola

1 dente de alho

100g couve flor

200g feijão manteiga cozido

1/2 saco espinafres


Num tacho coloquei o azeite, o alho, a cebola e a salsa picados. Levei ao lume, sempre brando e assim que a cebola ficou translúcida adicionei a couve flor em pedaços pequenos. Deixei cozinhar alguns minutos e juntei o arroz com o dobro da água quente. Depois de ferver 2 ou 3 minutos envolvi os espinafres e o feijão. Deixei cozer até evaporar todo o líquido e servi quente polvilhado com mais salsa picada.

 Arroz de tomate malandrinho como a Bravo.

Ops! Perdão. A legenda certa é: arroz de tomate malandrinho à Bravo.

A receita é da mãe Bravo e como o vosso pedido é uma ordem, aqui fica:

“Cebolinha picadinha”, diz a mãe. “Com um dente de alho esmagado e azeite.” Entram em conjunto no tacho e mantém-se em lume brando até que a cebola fique ligeiramente translúcida. “Um dos segredos para obter um melhor sabor é usar tomate coração de boi”, diz a princesa com ar de professora. De seguida explica que se tira a pele e corta aos cubinhos para se juntar ao tacho. “Dá-se uma mexedela e põe-se a tampa.” “Ana, deixa-me dizer-te uma coisa: o lume mantém-se brando até o tomate ficar quase em puré, mas quando entram a água quente e logo a seguir o arroz, o lume passa a bem forte.” Sempre me ensinou assim: arroz seco prepara-se em lume brando, o malandrinho em lume mais alto. A mãe usa 3,5 vezes mais água do que arroz e escolhe o arroz carolino. “Rectificam-se os temperos e eu uso um raminho de salsa no final”.

Adoro o jeitinho entre o envergonhado e o orgulho por perceber que as pessoas gostam tanto da sua comidinha como eu. No final disse “e agora vais escrever assim no Instagram? Não se percebe, eu faço tudo a olho!” É fofa ou não é?

Hoje não podia falar uma receita com abóbora, ceeeeeeerto?

Bacalhau com puré de abóbora

Ingredientes (1 pessoa):
– 120g lombo de bacalhau Riberalves
– 1 colher de sobremesa de azeite
– 1 dente de alho laminado
– 1/3 cebola em rodelas
– 1 chávena tomate cereja
– 200g abóbora
– 100g couve flor
– q.b. temperos a gosto

Descongelei o bacalhau.
Programei o forno a 180 graus.
Num tabuleiro coloquei a cebola, o alho, o bacalhau e os tomates cereja. Por cima, o azeite e tomilho.
Levei ao forno cerca de 30 minutos (ou até estar cozinhado a gosto).
Entretanto levei ao lume, num tacho com o mínimo de água possível, a abóbora e a couve flor. Assim que a couve flor ficou pronta, transformei em puré, com a varinha mágica e temperei com noz moscada.
Servi quente.