Category

Motivação

Category

Num dos últimos dias de 2021 a equipa do Canal Nutrição com Coração do Jornal de Noticias foi para a rua saber quais as resoluções dos portuenses para 2022.

Nunca é demais pedir para encararem o novo ano como uma oportunidade para adoptar rotinas mais saudáveis: com meditação, boa alimentação e muito amor!

Vejam o vídeo completo no Canal do JN, deixo o link – Resoluções dos portuenses para um ano mais saudável (jn.pt)

Mais uma vez vos desejo um ano muuuuuuuuuito feliz. 

A maior doença da mente é o medo.

Temos medo porque não conseguimos ver o quadro completo e queremos ter esse controlo.

Desenvolvendo a intuição, mergulhando no coração, podemos conseguir ver mais além. É então que o medo se dissipa.

Há um trabalho interior que parte de cada um e da sua união com o divino – a consciência do divino em tudo o que fazemos muda tudo. Para quem não acredita em Deus: fazer tudo em Amor puro é a chave. Se é possível? Sim, é. Passinho a passinho.

Eu descobri o caminho, que faço sem pressa, com os ensinamentos de Paramahamsa Vishwananda. Medito. Abro cada vez mais o coração.

Esse processo que nos leva da mente ao coração nem sempre é simples, temos muitas resistências, temos muita necessidade de sentir que estamos em controlo. E, sabem? Não controlamos nada, só faz sentido largar, entregar, confiar.

O ATMA KRIYA YOGA ajudou-me, ajuda-me e acredito que possa ajudar muitos de vocês.

O abraço sentido transforma, sobretudo quem nunca foi abraçado e por isso não sabe abraçar…

Eu gosto de abraçar pessoas que vêm com olhar carregado e ar carrancudo, gosto de abraçar pessoas que têm sorriso torto e vontade de insultar e partir. Gosto de sentir que nesse abraço nos despimos de armaduras pesadas e percebemos o quão maravilhoso é permitirmos-nos sentir amor. Sim, porque um abraço sentido tem amor. É uma troca de energia, um momento de cura. E é tão bom irmo-nos entregando a esse sentimento, a essa energia maior, até vivermos sem medo, apenas amando, apenas entregando.

Eu abraço árvores e animais, é muito bom.

Gosto de abraçar quem parece não me querer bem e também gosto muito de abraçar as pessoas que gostam de mim.

E procuro abraçar todos os dias quem amo! Eu gosto mesmo é de abraços.

E por falar em abraço, daqueles bons, apertadinhos e quentes, carregados da leveza da energia sublime do amor, digam-me, quem abraçariam hoje?

Quando era miúda, ouvia atentamente as conversas das minhas irmãs. Sempre prestei atenção à conversa de todas as mulheres, especialmente das mais velhas. Fui sempre amiga das amigas da minha mãe e também sempre gostei de trocar mil experiências com mulheres da minha idade. E sempre gostei de observar e ouvir as mulheres mais novas. Adoro, por exemplo, ficar atenta a cada pormenor do comportamento das minhas sobrinhas.

E com isto chego a uma conclusão: – cada etapa da nossa vida é incrivelmente bela!

A diferença maior que sinto com a chegada dos 40 é algum egoísmo e um imenso amor.
Penso mais em mim, preocupo-me, antes de mais, comigo, tomo as decisões por mim. Sei que eu estou antes de todo o resto. Algum egoísmo não faz mal a ninguém, contrariamente ao que pensava aos 20. Nessa altura, não era egoísta; aos 30, combatia com ele – o egoísmo – e aos 40 assumo-o, feliz e bem resolvida. Egocentrismo é outra coisa, não é disso que falo. Não sou egocêntrica, sou, isso sim, um pouco egoísta e aconselho todas as mulheres a serem: cada uma de nós está em primeiro lugar e deve ser o centro da sua vida.
Aos 40, não pensamos se lavámos o cabelo no próprio dia, mergulhamos na piscina; não deixamos de tirar as calças num passeio inesperado no rio porque não fizemos a depilação e muito menos perdemos tempo a olhar para a celulite. Aos 40 somos mais nós, temos auto-confiança, sabemos o que valemos e quem não gostar que não olhe, quem não quiser a nossa companhia que não se chegue perto. Aos 40 deixa de nos interessar o que pensam de nós e passa a ser muito importante o que pensamos de nós mesmas. Conhecemo-nos como nunca, também porque, habitualmente, uns anos antes, tivemos uma pequena crise de identidade e mergulhámos em nós mesmas. Aos 40 não fazemos fretes, percebemos o quão precioso é o tempo que nos deram aqui.

Aos 40 tenho a espiritualidade mais em mim do que alguma vez antes e sinto, respiro, saboreio com menos ansiedade e mais certeza de estar em cada momento no sítio certo, fazendo exactamente o que é suposto fazer. Não anseio nada mais além de cada momento, vivo cada vez menos com expectativa. Não mastigo e engulo, saboreio.

Entrego-me ao divino e tenho cada vez mais consciência d’Ele em tudo o que faço. Reconheço-O nos outros, em cada pessoa, queira-me bem ou mal. Aos 40, sinto mais amor que nunca e zango-me menos comigo e com os outros, porque me aceito, me amo e aceito os outros, percebendo que são uma parte tão importante como eu desse Amor maior que é Deus!

Este é o meu salto de coragem. O meu grito de alerta, após ter recebido o do meu corpo: o meu livro novo tem tanto, mas tanto de mim.

Pretendo diariamente tornar a alimentação das pessoas mais feliz, pondo de lado as “dietas da moda”, não dando demasiada importância aos “alimentos da moda”… O que faz sentido é simplificar, variar, sentir o prazer de comer e não abdicar dele seja qual for o nosso objectivo (mesmo emagrecer). Para tal é importante começar por perceber que a forma interessa bem menos do que o que guardamos dentro… Vamos gostar -mais – de nós?

Este livro fala de amor, – comer também deve ser um acto de amor – um amor que vos ajudo a descobrir dentro de cada um de vocês, da mesma forma que eu o fui descobrindo. Ainda tenho um longo caminho pela frente, mas gostava de o fazer convosco… Aceitam?
Este vídeo, do making of da capa está, todo ele, cheio de amor, claro!

Obrigada à minha editora Arena, à minha fotógrafa e amiga de longos anos Ana Dias, à minha mana de alma Kiki, ao meu querido Luís Alves que nos acolheu no seu Cantinho das Aromáticas, à doce Eduarda dos Moinhos de Ovil, ao meu João Lacerda, parte da equipa Nutrição com Coração há muito anos e ao meu adorado colega Luís Matos.

Foi um dia muito feliz. O livro é feliz e convida-vos a serem autores do vosso próprio livro… Vejam as primeiras páginas e perceberão. É diferente de todos os outros.

Vejam mais AQUI.