Tag

tofu

Browsing

As receitas da mãe Bravo têm cada vez mais sucesso, ou não fossem preparadas com tanto amor!

Pedi esta com jeitinho e a mãe descreveu-a, com aquele olhar cheio de ternura, exactamente assim:

Primeiro cortam-se as batatas às rodelas e reservam-se num tabuleiro de ir ao forno.

Ah, Ana, para o passo seguinte usa-se bastante cebola picadinha, mas escreve mesmo “pi ca di nha” – soletrou e eu, claro, obedeci e escrevi. E continuou: depois o alho picadinho, louro e salsa.

Então esfarela-se tofu e junta-se ao mesmo tabuleiro das batatas.

Tens que escrever assim, agora: “nota: leva bastante cebola, picadinha”. [Eu escrevi, embora já tivesse dito entendi o protagonismo da cebola e dos inhos e não quis deixar de repetir, ou não fosse estragar o assado.]

Numa taça junta-se a cebola, o alho, a salsa também picadinha, um pouco de água quente e azeite – eu ponho a olho. Assim fica preparado um molho bom.

Junta-se este molho à assadeira e vai ao forno.

E pronto, entre inhos e beijinhos, cá temos mais uma receita vegan da mãe linda.

Parece-vos bem?

-Mãezinha, podes dar-nos a receita do almoço bom que fizeste hoje? – Dou, pois. Escreve lá: bastante cebola e alho picadinhos, 3 folhas de louro, azeite. (Começa pelos ingredientes mas raramente diz quantidades…) – Que quantidade, mãezinha? – Óh Ana, eu não sei, sabes que faço a olho mas se te referes ao azeite já sabes que eu não uso cá as tuas doses mini mini. (Adoro este ar de menina reivindicativa!) e continua: Vai ao lume até a cebola ficar transparente e então junta-se tomate maduro partido aos bocadinhos muito pequeninos (inhos com mais inhos, mesmo à mãe Bravo!) e vai falando: Mas mesmo tomate, não é aquele já preparado. Ah! E uma pitadinha de açúcar para quebrar a acidez do tomate. Ai, não olhes para mim assim, eu disse uma pitadinha, não disse uma colher. Queres a receita ou não queres, Ana Luísa? (Eh, lá. Para tudo. Já estamos noutro patamar. “Ana Luísa” impõe respeito, mesmo com aquele olhar verde terno.) e segue: Tampa-se, para ir cozinhando com amor, devagarinho. Noutro recipiente coloca-se água a aquecer. Numa taça junta-se a farinha de pau com água fria, para desfazer, assim fica sem grumos. O segredo é bater bem nesta parte. Junta-se esta mistura ao tacho anterior. Vais mexendo e se achares que é necessário podes juntar mais água, da tal que se aquece à parte. Há pessoas que gostam de uma textura mais consistente, outras mais líquida… por isso juntam essa água conforme o seu gosto. Quando começar a fazer uma espécie de bolhas quer dizer que está cozinhada. Pode-se juntar a fonte proteica que se quiser – eu juntei tofu em pedaços logo no início, com a cebola e o tomate. No final aromatiza-se com umas folhinhas de hortelã e está pronto a servir e a saborear. Escreve aí: não se mistura a água de uma vez, deve-se ir mexendo e ir juntando à medida que for necessário, aos pouquinhos. Com paciência e amor. E depois vem a partilha – numa mesa bonita e sem telefones pelo meio, não é? (Pensei que vinha a “Ana Luísa ” outra vez, mas sorri-lhe com os olhos e derreteu-se num sorriso bom, mas bom!)

Ah, ternura boa esta que é ter um colinho de mãe.

Gostaram? Vão preparar para vocês? Para os vossos filhos, maridos, mulheres, pais… contem, para quem?

 

Este empadão é digno de um dia de festa, em que a mesa tem que estar perfeita e o sabor também!

 

Empadão de beterraba (3 pessoas)

150g tofu
4 colheres de sopa de grão-de-bico cozido
1 cebola
1 dente de alho
1/2 pimento vermelho
1 colher de sopa de azeite
q.b. noz moscada
q.b. tomilho
beterraba
1 taça de couve flor cozida, em pedaços
q.b. salsa
Programei o forno a 180 graus.
Cozi a beterraba, com a casca.
Coloquei o azeite num wok juntamente com a cebola e o alho cortados em rodelas finas. Adicionei o pimento cortado em tiras e levei ao lume, sempre baixo. Deixei cozinhar, cerca de 10 minutos, adicionei o tofu cortado em cubos e temperei com tomilho. Cozinhou até o tofu ficar a gosto e, antes de desligar envolvi o grão-de-bico.
Entretanto, descasquei e cortei a beterraba em pedaços e transformei-a em puré juntamente com a couve-flor. Temperei com noz moscada.
Forrei uma forma com papel vegetal e dispus 3 camadas: uma de puré, no meio a mistura de tofu e, por cima, o restante puré.
Levei ao forno cerca de 25 minutos. Retirei e, depois de arrefecer ligeiramente, desenformei e servi polvilhado com salsa picada.

A mãe Bravo não falha, eis a receita  exactamente como me ditou:

“Cebola, louro, alho… Ana, escreve: bastante cebola às rodelas: uma camada. Mais uma camada de batatas, também às rodelas, depois uma de tomate fresco partidinho aos cubinhos. [Dois “inhos” na mesma frase, que maravilha!] Entra o tofu esfarelado, outra camada de cebola e outra de batata. Quem gostar pode pôr pimentos de várias cores. Rega-se bem com azeite [agora já diz esta parte sem falar mais baixinho, só me olha com aquele ar de mãe reguila com olhos de amor] e deixa-se cozinhar lentamente, agitando o tacho para não pegar. Quando começar a ferver passar para o mínimo é cozinha sempre assim, em lume brando.”

É um amor esta mãe Bravo e a sua cozinha saudável e feliz, não é?

Já cá faltava mais uma receita vegan  da mãe Bravo, descrita ao seu jeitinho, entre o mimo e o brilho de quem cozinha com o bendito do Amor:

Fatia-se o tofu e deixa-se a marinar com antecedência (ou até durante a noite anterior): tempera-se com alho, folhas de louro partidas aos bocadinhos e rega-se com limão e um fiozinho de azeite. Pronto, não vamos discutir a questão do azeite. – é engraçado o jeitinho de criança com que a mãe Bravo fala deste tema comigo. E retoma o tom anterior sem demora: Continuando, fica assim pelo menos 2 horas. Entretanto prepara-se o arroz: cebolinha picada, azeite e uma folhinha de louro a fritar. [Porque gostam as mães tanto dos “inhos”?] Ops, não é a fritar, tu sabes, só assim a alourar ligeiramente, até só deixo até a cebola ficar translúcida! Não olhes assim para mim, tu bem vês.
– diz a princesa com olhinhos cor de avelã. E continua: acrescenta-se a cenoura às rodelas e a couve cegada grosseiramente (não é assim como a do caldo verde, sabes? É em pedaços maiores). Mexe-se é deixa-se evaporar um pouco a água dos legumes. Então acrescenta-se o arroz : se for carolino, 1,5 chávenas de água para 1 de arroz. Água quente. Isso é muito importante senão “encrua” o arroz. Enquanto o arroz coze, escorre-se bem o tofu e grelha-se numa frigideira anti-aderente, sem gordura. Claro que fica mais douradinho com um nadinha de azeite, mas pronto. – parece resignação mas ainda tenta mais uma vez: Deixa-te lá de exageros, ó transmontana da nutrição. – e eu acho-lhe graça e como, aliás delicio-me com a sua comidinha!

Vai uma garfada? Aliás, uma garfadinha? 

Chegar a casa e ter um jantar antecipado, com vista de árvores e colinho de mãe, é tãaaaaaaaaaaao bom!

Hoje a minha Bravo preparou tofu com batatinhas e tomates assados, acompanhado com esparregado.

Pedi a receita e a mãe diz que é muito simples – claaaaaro, olha se não dissesse!

– algum tempo antes deixa-se o tofu a marinar (já cortado em fatias) em bastante limão, alho e salsa
– coloca-se, juntamente com as batatas cortadas em pequenos quadrados e com os tomate cherry inteiros ou cortados em metades, no tabuleiro que vai ao forno
– junta-se alho, azeite e louro
– vai ao forno e junta-se o toque aromático final, da salsa fresca

E nhami nhami!
O que acham de mais esta receita vegan da Mãe Bravo?