Tag

alimentação infantil

Browsing

Já imaginou o que as crianças em todo o mundo comem durante uma semana? O fotógrafo Gregg Segal decidiu viajar pelo mundo para responder a esta pergunta de uma maneira muito criativa, tirando fotos de crianças de várias culturas cercadas pelos alimentos que consomem semanalmente. Durante três anos visitou 9 países: EUA, Índia, Malásia, Alemanha, França, Itália, Senegal, Emirados Árabes Unidos e Brasil.
O que o motivou, além da arte, foi a parte didática e de consciência alimentar: refere que se concentrou nas crianças porque os hábitos alimentares começam com elas e se não forem corrigidos em tenra idade, mais difícil será fazê-lo na idade adulta. 
Fiquei maravilhada com este trabalho e não podia deixar de partilhar convosco!
Vejam as restantes imagens AQUI e mais ainda no seu livro “Daily Bread: What Kids Eat Around the World”

Fotos retiradas de: https://educateinspirechange.org/health/25-kids-from-around-the-world-photographed-with-what-they-eat-in-one-week/

Hoje é O Dia Mundial da Criança e por isso eu e o Bio & Natural do EL Corte Inglés temos uma sugestão especial para prepararem com os mais pequenos. Sugerimos 4 receitas da Cozinha com ♥, que eles vão adorar preparar com a vossa ajuda. Há algo mais  importante e enternecedor e até apaziguador que vê-los sorrir, naquele sorriso que vem de dentro? 🎈🎀🌈
Vejam as receitas completas aqui no blog  e depois, assim que possam, corram para a cozinha com eles e deitem mãos à massa! 👩👨🍳👧👵
Para verem as receitas, basta clicar nos nomes:

Nem sempre é fácil que as nossas crianças comam o que gostaríamos… Às vezes o bicho papão são os legumes, outras a fruta… São necessárias alternativas saudáveis, mas apelativas, cujo sabor e aspecto façam os nossos meninos terem vontade de experimentar algo que não desembrulham e que não traz um brinde ou uma surpresa. Assim, reunimos 14 receitas para cozinhar para eles e porque não com eles?

 

As nossas duas primeiras propostas são as seguintes:

Para ver as receitas, clique no nome.

Quem tem crianças a seu cargo sabe bem como é… Um alimento que um dia é tão valorizado, no seguinte já pode tornar-se na pior coisa do mundo e arredores!

De onde vêm os nossos gostos e preferências alimentares? As primeiras teorias apontam para uma razão pré-histórica, que refere que tudo o que tinha um sabor amargo estava associado a substâncias tóxicas e que, portanto, seriam de evitar.

Essa ideia perpetuou-se durante milénios, pelo que é perfeitamente possível que, sendo o homo sapiens uma espécie relativamente recente, esta associação inconsciente ainda seja feita. Outra abordagem possível tem a ver com a sensibilidade ao sabor amargo. Geneticamente,nem todos reagimos da mesma forma ao amargo: tal prende-se com a presença de um gene que codifica a reação do organismo à deteção desse sabor. Aqui se incluem os grupos de ‘insensíveis’ (non-tasters), ‘hipersensíveis’ (supertasters) e todos os outros (‘medium tasters’). O motivo destas diferenças ainda é desconhecido, mas começa a denotar-se um padrão que vai para além do sabor amargo e que está também relacionado com o doce, as bebidas alcoólicas e até o tabaco. Os hipersensíveis têm tendência para rejeitar estes dois últimos e preferir o primeiro em detrimento do amargo. A probabilidade de terem uma alimentação menos saudável e maior risco de doença é maior.

De notar, no entanto, que a reação do organismo a estes sentidos é bastante complexa e depende de inúmeros fatores. O primeiro e mais importante relaciona-se com a exposição repetida ao mesmo. Foi já bem estudado e é conhecido que, quando exposto a um estímulo vezes suficientes, a aceitabilidade aumenta. Isto vem reforçar a ideia de que a alimentação durante a gravidez marca o primeiro ponto de exposição da criança aos sabores e aromas. A oferta alimentar variada e completa de sabores e aromas nos primeiros 18 meses de vida é o segundo grande momento de exposição em que o treino começa.

A partir dos 2 anos de vida, a predisposição individual para testar novos sabores ou recuperar aqueles que foram rejeitados vai desaparecendo e só volta a aparecer com força suficiente na idade adulta. O segundo fator prende-se com os variados aspetos de vida que se relacionam com o ato alimentar. Parece estranho pensar que a insistência para a importância do consumo de sopa e hortícolas particularmente quando uma criança está doente seja a causa de rejeição desses mesmos alimentos daí para a frente. A verdade é que a associação entre estar doente e ingerir esses alimentos ficou gravada na memória. O estar feliz ou triste, a relação (errada!) entre sucesso escolar e recompensas alimentares, entre muitos outros tipos de reações que as crianças têm à sua disposição para manifestar os seus sentimentos e intenções são tudo fatores que contribuem para o afastamento de determinados alimentos em preferência de outros.

Por fim, resta lembrar um terceiro aspeto importante: a introdução dos sabores nos primeiros anos de vida. Quanto mais precoce (e frequente!) for o contacto com o sabor doce e o salgado, mais provável é a rejeição do amargo. Daí que se recomende que à alimentação infantil não seja adicionado sal antes dos 3 anos e que o contacto com produtos açucarados seja também atrasado para depois desta idade. Ainda, o maior enfoque sobre a sopa e os hortícolas e menor oferta de papas, bolachas e afins, também contribui para esta preferência.

Em resumo: (1) tente sempre separar os acontecimentos de vida dos hábitos alimentares, mantendo uma rotina estável (as crianças agradecem esta segurança!); (2) comece desde o nascimento (e gravidez) com o treino de sabores, atrasando o mais possível o doce e o salgado; (3) mantenha este treino/educação do paladar ao longo da vida, pois ninguém sabe se é ‘non-taster’ ou ‘supertaster’, pelo que pode demorar muito tempo até se gostar de (quase) todos os alimentos nutritivos e por isso pertinentes para a nossa saúde.